© 2023 por Sindicato Rural de Mogi das Cruzes.

October 7, 2019

October 7, 2019

September 10, 2019

September 10, 2019

Please reload

Posts Recentes

Conquista para o Setor de Minimamente Processados

February 1, 2019

1/7
Please reload

Posts Em Destaque

NÊSPERA

October 7, 2019

A nêspera é uma fruta tipo pomo como a maçã, pêra e marmelo, pertencente à família Rosaceae, sendo amplamente distribuída nas regiões subtropical do globo. A sua exploração racional, com real importância econômica, limita-se a alguns países, como Japão, Espanha, Israel e Brasil. Sua origem é asiática, com referência a Japão, China e Índia.  Sem desbaste, é uma fruta pequena, de cor amarela e casca aveludada, de modo errôneo chamada popularmente de ameixa-amarela ou ameixa-japonesa. É uma fruta rica em vitamina C e sais minerais, como o cálcio e o fósforo. A nêspera é consumida ao natural ou em salada de frutas e também se presta à produção de excelente compota, atividade essa ainda bem pouco explorada.

No Brasil, a principal região produtora encontra-se próxima a Mogi das Cruzes, em São Paulo. Também plantada no PR, em SC e no RS, e ocorre em outros estados pela sua ampla adaptação.

A nespereira é uma planta de porte médio a grande, o fruto é atraente, com casca e polpa amarelas ou alaranjadas e peso médio de 30 a 80 g.

As folhas da nespereira também são utilizadas para o preparo de compressas, chás e extratos. Possuem propriedades antioxidantes e podem auxiliar no combate ao diabetes, às inflamações de pele, ao câncer de pele, às viroses e, inclusive, no combate ao vírus HIV, devido à presença do ácido 2-alpha-hydoxyursolico nas folhas, pois possui efeito anti HIV.

 

Cultivares

 

Mizuho, Precoce de Itaquera, Precoce de Campinas, Parmogi, Nectar de Cristal, Centenária, Mizumo e Mizauto.

 

Clima e Solo

 

A nespereira se desenvolve bem em regiões onde a temperatura média anual está acima de 15ºC, não sujeitas a temperaturas abaixo de 3ºC, condições que ocasiona a morte dos frutos novos. No Estado de São Paulo, a quantidade total de água que a planta necessita durante o ano é, geralmente, satisfeita com as chuvas e pela utilização de cobertura morta. As raízes da nespereira são profundas, podendo, entretanto, a planta tombar sob a ação de ventos fortes, se o porta-enxerto for o marmeleiro, de raízes mais superficiais. Os ramos são resistentes, não havendo perigo da quebra pelo vento, mas os frutos podem ser prejudicados pela fricção contra as folhas e ramos vizinhos. Assim, recomenda-se a instalação do pomar nas faces menos batidas pelos ventos, ou pela conveniência de utilização de quebra-ventos.

 

Espaçamento

 

Os espaçamentos requeridos para a nespereira são 8 x 4 m a 8 x 6 m (plantio convencional; nespereira/nespereira) e 4 x 2 m a 5 x 3 m (plantio adensado: nespereira/marmeleiro). As quantidades de mudas necessárias são: 207 a 312 e 666 a 1.250/ha, de acordo com o espaçamento.

 

Preparo do Solo e Plantio de Mudas

 

As mudas devem ser produzidas em recipientes, sendo as sementes extraídas de frutos maduros, secas à sombra e semeadas em cerca de uma semana, garantindo assim elevada germinação. As mudas são enxertadas sobre pés francos de porta-enxertos oriundos de sementes da própria nespereira, de qualquer cultivar, uma vez que ainda não existe portaenxerto específico. O ponto de enxertia ocorre após 8 a 12 meses da semeadura, onde o porta-enxerto encontra-se com 1 cm de diâmetro na região de enxertia (30 a 40cm de altura). A enxertia se faz em qualquer época do ano, por processo de garfagem, preferivelmente do tipo “inglês simples” e cobertura com saco plástico enrolado ao garfo (enxerto). É importante que cerca de três a quatro folhas sadias do porta-enxerto sejam deixadas abaixo da parte enxertada, o que garante o melhor pegamento e mesmo o desenvolvimento das mudas enxertadas. Há perspectiva promissora de cultivo de nespereiras enxertadas sobre marmeleiros, o que propicia plantas de menor crescimento que possibilita o espaçamento adensado e originando pomar de porte mais compacto.

 

Adubação

 

Plantio: Em cobertura, a partir da brotação das mudas, aplicar ao redor da planta, a cada dois meses, 60g de N, em quatro parcelas de 15g.

Formação: Para plantio convencional, no pomar em formação, em função do resultado de análise de solo e idade da planta, aplicar 60 a 120g planta-1 de cada um dos nutrientes: N, P2O5 e K2O, sendo a dose de N dividida em quatro parcelas, de dois em dois meses, a partir do início da brotação.

Produção: No pomar adulto convencional, a partir do 7º ano, em função do resultado da análise de solo e da meta de produtividade (8 a 12 t ha-1), aplicar, anualmente, 3 t ha-1 de esterco de galinha ou 15t ha-1 de esterco de curral, bem curtido e 60 a 120 kg ha-1 de N, 20 a 90 kg ha-1 de P2O5 e 20 a 100 kg ha-1 K2O.

Após a colheita distribuir esterco, fósforo e potássio, na dosagem anual, em coroa larga, acompanhando a projeção da copa no solo. Aplicar o nitrogênio em quatro parcelas, em cobertura, de dois em dois meses, a partir do início da brotação. Para plantios adensados, aplicar os adubos, no pomar em formação e no adulto, de modo similar aos plantios convencionais, reduzindo as doses proporcionalmente à área ocupada por planta.

 

Poda

 

A nespereira não necessita de poda como as outras frutíferas, mas poda-se para manter o equilíbrio, pelo arejamento e não a deixar ficar muito alta e inacessível para colheita dos frutos. Não necessitando de ser uma poda anual, ela é feita frequentemente para limitar o crescimento da árvore em altura. Requer apenas uma poda ligeira. Suprimem-se ramos mortos, doentes, mal colocados (ladrões e os que crescem para o interior da árvore). Quando necessário reduz-se de 1/3 os ramos estruturais e ramos frutíferos podam-se a 2 olhos após a colheita dos frutos. Limpeza dos troncos raspando musgos e líquenes com uma escova de nylon e água. Após esta limpeza as zonas limpas, depois de secas, devem ser protegidas, pincelando uma calda de argila (mistura-se argila e água, um pouco de cinza e um pouco de óleo vegetal para aderir melhor ao tronco) ou cal viva misturada com água. Este trabalho faz-se em dias secos (sem chuva). 

 

Irrigação

 

Aconselhável nas estiagens, em sulcos, bacias ou por gotejo, sendo sua substituição parcial feita pela utilização de cobertura morta, sob as copas ou por toda a linha das plantas.

 

Pragas e Doenças

 

As principais pragas que atacam as nespereiras são os pulgões, mosca-das-frutas e a mariposa oriental. Como controle, é indispensável o ensacamento dos frutos. No caso das doenças, apenas há maiores preocupações com a entomosporiose, em plantas jovens e a antracnose, eventualmente em plantas adultas. Como medida de controle, deve-se realizar pulverizações com produtos a base de cobre, sempre rotacionando o princípio ativo do produto comercial a cada aplicação, para assim evitar-se possíveis resistências dessas enfermidades.

 

Colheita

 

A época de maturação dos frutos da nespereira se estende de maio a outubro, quando há escassez de outras frutas estacionais no mercado. O período longo da safra provém do fato de a nespereira ter o hábito de florescer por etapas, num ciclo também bastante amplo. Essa é a razão pela qual a produção das nêsperas é muito menos afetada que a das outras culturas, nos anos em que ocorrem intempéries, como geadas e secas prolongadas. As safras comerciais iniciam-se a partir do 2º ano de instalação do pomar. A colheita é manual, mediante a coleta das pencas ensacadas com os frutos já maduros.

 

Referências

 

PIO, R.; CHAGAS, E.A.; BARBOSA, W.; DALL `ORTO, F.A.C.. Aspectos técnicos do cultivo da nespereira. 2006. Artigo em Hypertexto. Disponível em: <http://www.infobibos.com/Artigos/2006_3/nespereira/index.html.> Acesso em: 12 de agosto de 2019.

 

MINHOTO, Jardim. Poda da Nespereira. 2019. Disponível em: <https://jardiminhoto.blogspot.com/p/nespereira-mespilus-germanica.html>. Acesso em: 12 de agosto de 2019.

 

NÊSPERA. Portal São Francisco. 2019. Disponível em: <https://www.portalsaofrancisco.com.br/alimentos/nespera>. Acesso em: 12 de agosto de 2019.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga