Informativos

Artigo: Enxertia em muda de berinjela é viável?. Fonte: Campo&Negócio - Janeiro 2011

 

Enxertia é um conjunto de técnicas que permite a uma planta se desenvolver contendo partes de sua estrutura provenientes de outra planta. Dentre os diversos tipos de enxertia, são mais utilizados os sistemas de garfagem e borbulhia.
 O uso mais comum da enxertia é para combinar o sistema radicular resistente a doenças de uma planta, com a parte aérea produtiva de outra. Também pode ser usada para melhorar a qualidade de frutos.


Como funciona a enxertia
Para berinjela, a enxertia em garfagem é a mais utilizada. Como porta-enxerto ou cavalo são utilizadas espécies resistentes à murcha bacteriana, nematóides e outros patógenos existentes no solo. Na Amazônia, a espécie Solanum toxicarum, conhecida como jurubeba, tem afinidade de enxertia

com berinjela. Podem ser ainda utilizados porta-enxertos resistentes da própria berinjela, de jiló, ou de jurubebão.

Benefícios da enxertia
As cultivares disponíveis de berinjela normalmente não apresentam resistência a diversos patógenos e pragas presentes no solo. Com isso, a vida produtiva das plantas, que poderia se estender por mais de um ano, fica reduzida a pouco mais de três meses.
 Ao ser utilizado material resistente como a jurubeba, eliminam-se tais problemas, uma vez que o material utilizado como porta-enxerto (que fornece a região do sistema radicular e parte inferior do caule no conjunto porta-enxerto/planta), apresenta mecanismos de resistência a tais problemas.
Com isso, o plantio de berinjela é protegido dos problemas decorrentes de solos infectados.

Momento certo para a enxertia
Um cultivo de berinjela enxertada deve ser tecnicamente programado para que o processo de enxertia se dê com as plantas, tanto do porta-enxerto como da cultivar comercial, ainda na fase juvenil.
Inicialmente as plantas do porta-enxerto são preparadas. Por exemplo, a jurubeba é semeada em copos plásticos ou de papel com 200 ml de capacidade, preenchidos com substrato utilizado normalmente na horta ou fazendo uma mistura de três partes de terra para uma de adubo orgânico.
 Lembrar de perfurar os copos para permitir a saída do excesso de água da irrigação. A germinação ocorre entre
sete e doze dias, quando então é feita a semeadura da berinjela, em bandejas ou copos. Sua germinação ocorre também entre sete e dez dias após a semeadura.

Tanto as mudas de jurubeba como de berinjela devem ser mantidas em área com iluminação natural, sem necessidade de sombreamento. Com cerca de 25 dias após a germinação das sementes de berinjela, as duas espécies estão aptas para enxertia.
As mudas de jurubeba (ou outro porta-enxerto) são levadas para um local sombreado, sendo feito um corte no caule, a cerca de I O cm de altura, eliminando-se a parte superior do mesmo. São deixadas duas folhas mais baixas, eliminando-se as demais. A seguir é feito um corte longitudinal no caule, com aproximada-mente 4 cm de comprimento, formando uma fenda no centro do mesmo, tomando este um formato da letra Y

A seguir a berinjela será preparada para a enxertia. Aproveita-se a parte superior da planta (ponteira), com cerca de oito centímetros de comprimento.
Dessa ponteira são eliminadas as folhas maiores e aparadas as mais novas. É, então, feito o corte da parte inferior dessa ponteira, em forma de cunha, com cerca de quatro centímetros de comprimento, tomando-se o cuidado de re-tirar a região do câmbio (casca) apenas de duas laterais opostas, deixando o restante do caule com epiderme.

Dicas
O próximo passo é inserir a ponteira da planta da berinjela na fenda do porta-enxerto, de forma que, pelo menos em um dos lados, a superfície externa do porta-enxerto esteja em contato com a superfície externa da berinjeleira (contato entre as duas regiões de câmbio). Feito isso, amarra-se a área enxertada com um fio, sem necessidade de muita pressão no amarrio.
 Passados sete dias, se a ponteira de berinjela permanecer viva, é sinal que a enxertia teve sucesso. Com a prática, dificilmente há perda de plantas. A parte mais importante é a junção, "casca/casca", do porta-enxerto com o enxerto.
As plantas enxertadas podem então ser levadas de volta para o local com iluminação natural. Reiniciado o crescimento da ponteira, o material estará pronto para ser transplantado, de forma idêntica ao processo de cultivo de berinjelas sem enxertia. Um trato cultural extra, necessário ao cultivo de berinjela enxertada, é a eliminação de ramos do porta-enxerto que surjam a partir do plantio das mudas no local definitivo.


Aumento de produtividade
A enxertia não promove aumentos diretos na produção na planta e sim um aumento na vida produtiva da mesma que, se bem conduzida, poderá permanecer em produção por mais de um ano.
Em condições de cultivo sem enxertia, caso haja problemas de patógenos no solo as plantas terão vida produtiva bem mais curta, havendo necessidade de novos plantios a cada três meses.
 Doenças que incidem sobre a parte aérea das plantas não serão reduzidas pelo uso de enxertia. Dependendo da resistência do porta-enxerto, todos os patógenos presentes no solo que possam prejudicar o desenvolvimento das plantas de berinjela serão evitados. É o caso da bactéria que provoca a murcha bacteriana e do fungo que provoca a fusariose. Também são prevenidos problemas com nematóides.

Redução da incidência de doenças
Os maiores problemas de fitossanidade em berinjela estão presentes nos solos. A enxertia pode ser 100% eficiente nesses casos. Com relação à parte aérea, principalmente as folhas, não há efeitos diretos da enxertia. Nesses casos são necessárias as medidas de controle normalmente previstas para o cultivo.
 As plantas utilizadas como porta--enxerto possuem mecanismos naturais que impedem ou inibem a infecção pelos agentes causadores das doenças. É a chamada resistência.

Custo de produção
Os custos estão relacionados à produção das mudas de porta-enxerto (R$ 0,10 a R$ 0,20 por muda) e gasto de mão de obra para enxertia (250 a 300 enxertos por pessoa por dia). Considerando que a enxertia onera apenas a fase de produção de mudas, e que esta fase representa menos de 5% do custo de produção da espécie, as vantagens são muito grandes. A necessidade de cultivos freqüentes envolve preparo de área, adubação de fundação, preparo de mudas e uma série de tratos culturais que a cultura requer, até que inicie a frutificação. Portanto, é altamente vantajosa a enxertia para cultivo em áreas com limitações fitossanitárias.

Resultados práticos
No caso da berinjela, aumentar o tempo de permanência do cultivo em cerca de um ano e possibilitar o cultivo em áreas cujos problemas fitossanitários de solos inviabilizam o cultivo comercial em condições de cultivo sem enxertia.


A enxertia pode ser 100% eficiente no controle de doenças de solo


<<Voltar para Artigos



Busca no Site:
mantenedores

SINDICATO RURAL DE MOGI DAS CRUZES - 2009 - Todos os Direitos Reservados - Desenvolvido por: Andréa Mari